Fronteiras foram feitas para serem quebradas. Esta parece ser a filosofia de vida de Gabriela Amaral dos Santos - que o Brasil aprendeu a amar com o nome de Gaby Amarantos - desde que ela descobriu nas veias um pulsante DNA musical. Nascida e criada na periferia de Belém, a cantora paraense se iniciou na arte rompendo os limites das rodas de samba que animavam os encontros em família, fazendo disso profissão de fé. E de fé mesmo, já que as primeiras incursões fora de casa - antes de ganhar os palcos da noite paraense, já maior de idade - foram nas cantorias da Paróquia Santa Terezinha do Menino Jesus.

Outra barreira que Gaby fez questão de romper diz respeito à batida musical. Isso ficou patente quando, para a formação da banda Tecno Show, sugeriu que se temperassem “riffs” acelerados de guitarra brega com beats eletrônicos, temperando o caldeirão sonoro que deu origem ao Tecnobrega. O novo ritmo reforçou sua vocação para vencer fronteiras, na medida em que os ecos da nova pegada acabaram ultrapassando os limites de Belém, para ganhar as regiões Norte-Nordeste e depois outras partes do país. Com a banda, Gaby gravou dois CDs e um DVD, e participou pela primeira vez no "Domingão do Faustão".

A gravidez do primeiro filho, em 2009, mexeu com as estruturas de Gaby Amarantos, impactando positivamente tanto pessoal como profissionalmente. A ponto de despertar nela a ânsia de desbravar novos rumos, por sua própria conta e risco. Nasceu ali a decisão de tocar carreira solo, efetivada em 2010, quando Davi já era realidade. Foi assim que a mamãe de primeira viagem voltou ao "Domingão", leve, livre e solta musicalmente. Nessa fase gravou também o clipe de "Xirley", que significou uma virada estética em sua carreira e mereceu elogios rasgados de críticos do metiê, escolhido pela MTV como um dos 10 clipes mais importantes da música brasileira.

O barulho bom feito por Gaby veio, dessa forma, ecoando Brasil afora. A ponto de ela, em 2012, ser indicada ao Grammy Latino e vencer em quatro das cinco categorias do MTV Music Award. Já no Prêmio Multishow faturou na categoria Novo Hit, por "Ex Mai Love", e na APCA (Associação Paulista dos Crítcos de Arte) foi escolhida como a melhor cantora de 2012 e entre as melhores do ano. Isso tudo após, em 2011, ser eleita pela revista "Época" como uma das 100 personalidades mais influentes do país.

Por tudo isso, a internacionalização da estrela era só questão de tempo. E ela se confirmou em julho, com a primeira turnê fora do Brasil. Em Londres, ela dominou a cena do Barbican Centre, um dos mais cultuados templos das artes na capital britânica, o centro cultural mais importante de toda Europa. Na Bélgica, empolgou um público de mais de 40 mil pessoas do ‘Sfinks Mixed Festival’. Em Nova York ela esteve duas vezes - uma em maio e outra no mês de julho, no efervescente Central Park, quando cantou para uma multifdão de 5 mil pessoas. A turnê mereceu um documentário da Multishow, apropriadamente batizado como "Gaby Gringa".

Entre o final de 2013 e este começo de ano as viagens se intensificaram, a ponto de ela nem conseguir desfazer as malas. O mote da vez é a canção "Todo Mundo", tema do mundial de futebol que movimentará o Brasil em junho. A milhagem musical de Gaby Amarantos incluiu a Argentina e a Colômbia, entre outros países, para gravação de novas versões do tema. No primeiro, gravou um clipe com a Tan Biónica, a banda pop mais prestigiada atualmente pelos hermanos, em que a canção ganhou outro nome: "El mundo es nuestro". Na Colômbia, o dueto foi com o cantor Carlos Vives, ídolo em vários países de língua espanhola e ganhador de um Grammy internacional e nove Grammys Latinos. É assim prestigiada que ela se prepara para uma turnê de nove shows por países da América do Sul e da América Central.

Onde quer que chegue, Gaby consegue marcar presença pela brasilidade de seu figurino e do repertório. E este ano ela vai tirar proveito dessas virtudes no show que está montando para correr o Brasil. Além dos hits de seu próprio repertório - como "Xirley" e "Ex my love" -, Gaby vai dar um passeio vasto pela música brasileira, imprimindo seu estilo a hits de outros artistas e gêneros, como o pop, o samba, o sertanejo e a axé music. Esse caldeirão musical - que vem sendo escolhido a dedo pela cantora e sua equipe - virá com um ingrediente extra: entusiasmada com a aceitação que "Todo mundo" vem tendo no Brasil e no exterior, Gaby decidiu transpor a mesma pegada batuqueira para boa parte dos novos arranjos. Enquanto isso, um telão exibirá clipes que estão sendo produzidos para determinadas músicas do repertório. Sim, tudo vai soar muito forte, para não deixar ninguém parado. E com a mesma intensidade com que Gaby Amarantos, desde pequena, aprendeu a tocar sua vida e carreira.